Arquivo da tag: expectativas

Um bom vinho para o jantar…

Quem lê as coisas que eu escrevo deve pensar que acho que sou uma expert em relacionamentos.. mero engano, sou tão tonta quanto vocês quando estou envolvida… mas acho que ganho alguns pontos pelo meu poder analítico.

Um dos erros mais comuns das minhas amigas é se envolver com o cara errado já sabendo disso previamente. Porque no fim, a maioria não vale nada, mas saber que o cara é um canalha e mesmo assim ‘investir’ é pedir pra sofrer. Claro que se o cara for um merda e você quiser brincar um pouco, se divertir, é uma coisa, agora tem muita pateta por aí que acha que vai ‘conseguir mudá-lo’, querida, esquece isso… quase nenhum muda, e se for pra ele mudar, nada mais importante do que você esnobando ele e lembrando que ele não vale a pena diariamente… lembre-se os homens são como um bom vinho: todos começam como uvas, e é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até que amadureçam e se tornem uma boa companhia para o jantar.

Isso soa super escroto, eu sei, mas se formos parar para pensar os homens não estão realmente merecendo isso? Algumas mulheres também… o pior, são aquelas que se desvalorizam e acabam com a reputação da classe toda. Antes eu achava que eu que era estranha, por esperar das pessoas muito mais do que elas podiam oferecer, hoje já penso que tudo bem, minhas expectativas só me arrasam, mas as pessoas só não oferecem mais por acreditarem que ser mediocre é satisfatório.

Ser ou não ser, eis a questão…

gabiteatromágicoHá uns 3 dias não consigo escrever nada aqui. Depois que descobri que meus pais fuxicam meu blog eu me senti invadida. Não que eu não queira que eles leiam, nem que haja qualquer conteúdo aqui que seja segredo, mas saber que aqueles que não conhecem esse meu lado menina/mulher acompanham tudo o que escrevo, pensao e externalizo me assusta.

Assusta porque a maioria de nós não tem uma relação muito aberta com os pais, então não há diálogo, eles não sabem ao fundo o que pensamos, sentimos, queremos… e o meu blog diz tanto sobre mim… aí paro… porque tanta gente, gente que eu não conheço pode saber da minha intimidade, gostos, aflições, mágoas e eu me sinto acuada de saber que meus pais saberão? Simples, eles querem a minha felicidade acima de tudo, então qualquer coisa que eu escreva aqui que não vá de acordo com isso ou com as expectativas que eles tem de mim estarei causando alguma ferida, não sei se iso é verdade, mas é esse o meu medo. Decepcioná-los.

E a minha vida anda em círculos, vivo de um jeito para não decepcionar ‘os outros’ e acabo me decepcionando, me tornando uma pessoa triste e fechada e dessa maneira fazendo com que esses ‘outros’ não fiquem satisfeitos. Eu acabo decepcionando-os mais do que se não tivesse tanta vontade de fazê-lo.

Há uma briga dentro de mim, entre ser eu e ser o que querem que eu seja, e isso definitivamente não é falta de personalidade, eu sei muito bem o que sou e o que eu quero, mas minha vontade de ser a menininha do papai às vezes se sobrepõe a isso e acabo me tornando um nada, um vazio, para mim e para eles. É contraditório sim, mas existe algo humano que não seja?

Paro e penso novamente, se eu não me procupasse tanto talvez eu conseguiria, se eu fizesse por mim e não pelo outro talvez eu fosse mais feliz e sendo mais feliz com certeza satisfaria pelo menos uma parte do tal ‘outro’ e essa minha necessidade de suprir as expectativas alheias e esquecer do que eu realmente quero… Tudo isso me lembra um trecho  de Sartre: “O inferno são os outros” que deu origem à uma música perfeita (músicas que falam por mim) dos Titãs.

Porque SIM, são os outros, temos que trabalhar nós mesmos, não podemos esperar que sejam as pessoas sejam boas como queremos, que ajam da maneira que acreditamos e nem podemos viver tentando dar isso a alguém que espera de você. Dar conta do outro (do que ele quer, do que ele faz, e do que ele espera de você) é demais para nós humildes humanos. E me deparo com Ser ou não ser, eis a questão….

Questão? William realmente perguntou isso um dia através de seus textos? Qual a dúvida dele? Porque eu tenho a certeza que é SER. Ser mais eu, ser por mim, ser quem eu quero ser. SER feliz, ser consciente, ser qualquer coisa mas nunca se anular.

Ser humano.